Archives for category: não assumo

Quando eu me mudei para Brasília, já suspeitava que no fim dessa jornada eu viveria algo meio “Morgan Freeman de braços cruzados e com cara de onisciente dando a lição final” – (se você não consegue visualizar a cena, trabalhamos também com a opção “Robin Williams e seu sorriso prognata cheio de ternura, virando lentamente na sua direção”).

Enfim, quase dois anos depois eu posso dizer qual foi essa lição: aprender a sair em grupo de A.M.I.G.A.S..

te prepara homarada tamo arrasandooo

Quem me conhece, sabe o quanto eu abominei e evitei sair de MULHERADA nessa vida. Não foi pouco. Mas na sexta passada, depois de sair em um grupo de cinco FÊMEAS com direito a “se trocar lá em casa” e cantar músicas no carro, uma delas concluiu que talvez eu nunca tivesse tido um grupo de amigas que fizesse o comportamento feminino (as opposed to BRODÃO) valer a pena. O que inclui não falar mal de homem e nem se gabar da coleção de sapatos. Quer dizer, até pode, mas pouco.

Agora que a lição foi aprendida, eu agradeço a vocês algumas que me fizeram encontrar esse lado que eu passei a vida toda varrendo pra baixo do tapete. E também por serem mulheres das quais eu me orgulho de ser amiga, afinal não é qualquer uma que me faz sair da zona de conforto da brodagem pra passar um rimelzinho e andar feito JOVENS BRUXAS.

:~~~~

Um dia o Japonês escreveu um texto, e esse texto dizia, coincidentemente, tudo o que eu tenho para dizer hoje. Algo sobre andar nas pontas dos pés, ter suas certezas dissipadas e viver de te(n)são. Porque o que eu tenho hoje é um tormento criado por mim, sem razão de ser, só prá dizer “oi, vou nervosa”.

Você me dá medo e me dá paz (ultimamente muito pouca). Você me tira do sério. O tempo todo.

E eu o publicaria inteiro aqui, se plágio – e talvez covardia – não dessem cadeia.

era prá ter ficado uma semana, ficamos duas. no fim, todos os planos que eu fiz deram errado, mas por um bom motivo. minha mãe fala que nessas horas a gente tem que falar “praise the lord”. praise the lord, então.

x

no meio do caminho tinha uma zara, tinha uma zara no meio do caminho.

x

e continuas me mostrando que é sim, quando eu digo que é não. assim eu acabo acreditando.

x

amanhã estarei coladinha com paradigminha até que bsb nos separe. é tanta saudade que ela vai deixar de atender minhas ligações em 5 minutos.

acho que é isso, antes que esta bucleta comece a ser apfelsine.

nada amolece mais meu coraçãozinho atrofiado que o comercial do mercado livre. aquele do argentinho vendendo beijo na internet. chego a ter incontinência. no mais, sô macho.

Set The Ray To Jerry – The Smashing Pumpkins

born to please every simple need
i stand alone in my thoughts indeed
hate you for ever making me
i’m in you, i’m your anything
i want you and i need you
all you are is brand new
and i need you
come to me, let me hold you still
i’m so tired, just as tired as you
take me for anyone but me
all that you feel is never true
i want you and i need you
all you are is brand new
and i need you
when you say that you are
forever, my star
could never every let you go
and never let you know
let roar these fears
to the whore of my tears
pure as a lie
i pour to your eyes
suck you like the sap from a tree
honey from the dew
from the bumble bees
i want you and i need you
all you are is brand new
and i need you
when you say that you are
forever, my star
i’ll never let go
never let you know

eu não mudaria uma vírgula. mas talvez um predicado.