Minha relação com São Paulo é meio a relação que eu tenho com o Maminha, o cachorro: sempre que eu volto, me sinto acolhida e em casa, mas não sem antes passar por alguns estranhamentos, umas cheiradas constrangedoras.

Uma hora a cidade ainda me dá a patinha.