Se o processo de adaptação a uma cidade for como uma entrevista de emprego, sinto que logo a vaga será minha*.

A primeira fase foi entender o esquema de quadras e blocos e 100, 200, 300 e ruas sem nome. Posso garantir que não me perco mais nem no Cruzeiro – cidades satélites são outro assunto.

A segunda fase foi cantar – melhor que duas brasilienses nascidas e criadas – a letra inteira de Faroeste Caboclo, sem errar nem gaguejar. Gente, na época que essa música era HIT eu morava numa cidadezinha infernal com nada para fazer, é óbvio que eu sei a letra de cor. Fiz isso bêbada, desculpaí.

A terceira fase, bem, é só conferir a foto abaixo:

carlinhos e eu

Sim, este é Carlinhos Beauty, cabeleireiro da cidade e comediante da Record. No sábado passado peguei um freela que envolvia passar o dia no salão dele, e conhecer a criatura foi no mínimo curioso. Quero ver quantas candagas-tr00 já tiveram esta oportunidade.

Por favor, JK, levante-se de seu túmulo e me entregue a chave da cidade.

*pela sábia metáfora, agradeço a amiga Carol Woortmann.