É domingo, fim do dia, você tá lá fuçando nas colunas sociais. Aí pinta um nome que te desperta incômodo, mas a foto não corresponde. Você olha bem para a pessoa e pensa se algum dia já manteve algum tipo de contato que ultrapassasse as cordialidades rotineiras.
Sim, infelizmente ela sabe de boa parte da sua vida. É aquela sua ex-terapeuta picareta, a quem você deve uma sessão para aprender a “botar pontos finais nas coisas”.

Tá esperando até hoje.