Toda volta de Brasília me deixa saudosa dos meus quinze anos whoreislandenses, não sei bem por quê. Aqui alguns dos melhores acontecimentos da última ida:

– A recepção foi digna de novela. Cada estadia, uma mordomia. Obrigada, hospedeiros!

– Passei uma noite em um hotel desses de quando a cidade ainda estava sendo construída. A entrada parecia uma nave e os corredores terminavam em curva. O banheiro era rosa e verde-água, o quarto tinha armários com puxadores de acrílico e eu quero morar lá.

– Finalmente, posso dizer que entendo o esquema de quadras da capital. Foi tipo problema de lógica, mas agora já posso até dar palestra sobre.

– Quero azulejos do Athos Bulcão. Criados, mexam-se!

*E o Gran Finale*

– Conheci o lugar onde Impávido Colosso treinou nos seus anos de ginasta, e tive uma aula detalhada de salto mortal. Tipo, realizei meu sonho. Para completar o Dia de Daiane, aprendi a pular numa cama elástica também.
TÁ VENDO, MÃE?