Não sou de postar máximas e pensamentos aqui, mas ontem meu pai soltou essa:
“O ódio é um veneno que tomamos esperando que o outro morra.” – William Shakespeare

Olha, vou dizer. Serviu bem para eu parar de xingar um moleque de 16 anos, cara cheia de espinha, que jogou o carro (do pai dele, certamente) em cima de mim enquanto eu atravessava a rua, e ainda falou “ru-a!”, como se o direito de ser lindo no asfalto fosse só dele.
Os impropérios? Acho que peguei pesado.