A Casa do Teatro da Vida já possui uma antagonista na trama: Dona Vizinha. Eu não vou chamá-la pelo nome, porque isso implica macular o santo nome de mamãe, e a gente não quer fazer isso. Dona Vizinha está velha e ruim da cabeça. Dona Vizinha, já tinham nos avisado, reclama de todo e qualquer barulho, seja a hora que for. Dona Vizinha tem o estranho costume de visitar o lixo do nosso andar várias vezes ao dia, sempre cuidando para que a porta bata forte e faça um estrondo de infartar. E, como toda boa vizinha, Dona Vizinha gosta de espiar nossa varanda.
Aí hoje eu aproveitei a hora do almoço para desovar uma sacola em casa e, quando desci, já dentro do carro do amigo, fiquei olhando para a janela de casa, sem propósito algum. E, quando percebo, vejo Dona Vizinha não só com meio corpo dentro da minha varanda, como também puxando uma planta do NOSSO vaso.
Ou seja, no próximo capítulo ela certamente será pega deitada na cama do Jorge.
Sifudemo.