Há algum tempo, movida por uma saudade imensa e uma falta do que fazer proporcional, fiz esse videozinho para minha irmã, Claudiomiro. Nunca postei porque, né, tem limite.
Mas hoje, no folguedo de seus vinte e três aninhos, toda cafonice é bem-vinda.

Parabéns, meu irmão.