Hoje em dia a gente anda tão noiado que, a uma oferta de carona na pista escura da USP, não se diz mais “obrigada”. Mas se pensa “tarado!”.