Dizem que Cocker Spaniel é a raça de cachorro mais burra que tem. Depois de ontem, ouso discordar.
Era de madrugada, quando começou um barulho estranhíssimo, de alguém cavando alguma coisa dura, tipo a parede. A gente já se acostumou a ouvir o Maminha cavando a casinha dele, durante a noite, numa tentativa, sei lá, de chegar ao centro da Terra mais rápido. Diz que é da raça. Mas dessa vez o barulho era de dar medo, e o meu pai foi ver se não era alguém tentando entrar em casa.
Quando ele saiu no quintal, a cena era a seguinte: Hazel Cheetos Demônio, vulgo Maminha, tinha deixado a bolinha dele cair dentro do pote de comida. Desesperado, já que ele bate o focinho na borda ao tentar tirar com a boca, ele decidiu arrastar o pote – de ferro – até a escada. O pote tombava, ele pegava a bolinha e a comida ele comia ali mesmo. Óbvio! E ainda ficou putésimo do meu pai tentar ajudar, tipo “já cheguei até aqui, agora me deixa!”.
Se somar o QI aqui de casa, não dá o do cachorro.